Gestão

Quais os procedimentos corretos para realizar a emissão de códigos de barras para os meus produtos?

emissão de código de barras - vários códigos de barras coloridos em um fundo preto
Escrito por Eficiência Fiscal

“Como faço para emitir códigos de barras para os meus produtos?” 

Bom, você já sabe que os códigos de barras são utilizados para identificar os produtos através da leitura das informações contidas nos códigos por leitores específicos.

Entretanto, é preciso ter muita cautela no momento de aplicar esses códigos pois eles são únicos para cada produto e uma vez atribuídos não poderão ser alterados. 

Entenda aqui, passo a passo, quais os procedimentos corretos para adquirir códigos de barras para os seus itens.

Quais os procedimentos para a emissão dos códigos de barras?

O primeiro passo no processo de emissão dos códigos de barras é ter em mente quais os tipos de códigos necessários aos seus produtos (EAN-13, UPC-A, ITF-14, etc). 

Em seguida, é preciso recorrer à entidade responsável pela emissão e certificação desses códigos, no caso do Brasil a Associação Brasileira de Automação – GS1.

Dessa forma, mesmo que você adquira os códigos através de outros fornecedores é fundamental que os mesmos sejam autorizados pela GS1.

Mas, falaremos disso mais à frente. 

Por hora vamos nos concentrar nas etapas a serem seguidas junto à GS1.

Emissão de GTIN pela GS1

Você já sabe que a GS1 é o órgão responsável no Brasil por atribuir a Licença para Codificação de Itens Comerciais, ou seja, fornecer os códigos de barras para empresas de pequeno, médio e grande porte, e também a empreendedores individuais, seguindo os padrões para codificação aceitos em mais de 150 países no mundo.

Confira as etapas a serem seguidas para adquirir os códigos de barras junto à GS1.

1° etapa – Filiar-se à GS1

Dessa forma, o primeiro passo para adquirir um código de barras é filiar-se à GS1 através do site da associação na internet.

Com a página aberta, basta cadastrar-se como pessoa física (artesão ou produtor rural) ou jurídica (empresa LTDA, S.A. ou empresário individual), preenchendo os campos requeridos com nome e endereço de e-mail. 

Também é importante apresentar a documentação da empresa e demais informações sobre produto. 

Você pode conferir a lista da documentação exigida e respectivos valores através desta página no site da GS1.

Esses documentos podem ser enviados para a equipe da GS1 analisar através dos correios, via fax ou e-mail, logo em seguida será gerado um boleto para que você faça o pagamento. 

2° etapa – Identificar os itens comerciais da sua empresa

Após a etapa de filiação, você receberá o Prefixo GS1 da sua empresa. Assim, o próximo passo é identificar os itens que serão comercializados pela sua empresa e criar a identificação desses produtos. 

Dessa forma, fica a cargo do empresário atribuir o número de referência de cada item durante esse processo.

3° etapa – Escolha um tipo de código de barras

Agora é o momento de você escolher o tipo ideal de código de barras para os seus produtos. Para isso, você precisa conhecer os códigos mais utilizados pelas empresas do seu segmento, bem como a aplicação de cada um.

Em seguida, informe os dados técnicos e qualidade do produto. O sistema irá gerar o GTIN e a partir dele será possível realizar a impressão dos códigos.

A impressão dos códigos de barras pode ser feita de três formas: através de softwares e equipamentos para impressão de etiqueta e embalagens; fornecedores gráficos; ou por intermédio de uma impressora comum ao acessar o Cadastro Nacional de Produtos (CNP).

O próximo passo é imprimir os códigos, e aqui cabe uma ressalva, a qualidade da impressão irá influenciar diretamente na capacidade desses códigos serem lidos durante os processos de logística dos produtos.

Outro ponto é que cada código de barras representa um produto específico, ou seja, é o mecanismo que possibilita identificar aquela mercadoria. Dessa forma, a partir do momento em que ele for gerado não poderá mais ser alterado.

4ª etapa – Faça a gestão os seus códigos

Por último o empreendedor deve realizar a gestão dos códigos de barras dos seus produtos, uma vez que eles são responsáveis por identificá-los.

Não menos importante do que ter em mãos esses códigos é gerenciá-los de forma sustentável.

A GS1 disponibiliza o portal CNP para que os afiliados possam gerar e controlar os códigos de barras.

Entretanto, os custos para realizar todo esse processo podem ficar um pouco altos para pequenas empresas e empreendedores, já que a GS1 cobra uma taxa anual recorrente pelo uso do código de barras, calculada com base na receita e quantidade de produtos únicos vendidos pelo fabricante.

Alternativas para adquirir os códigos de barras 

Outra forma de adquirir códigos de barras para os seus produtos é através de um revendedor autorizado pela GS1. 

Essa é uma alternativa mais fácil e barata para empresários que precisam de poucos códigos de barras, como ocorre com a maioria dos negócios do segmento varejista. 

Uma pesquisa rápida na internet pode lhe ajudar a encontrar empresas que fornecem esse tipo de serviço. 

Mas, atenção! Ao comprar códigos de barras através de revendedores certifique-se de que eles foram adquiridos junto a GS1 e que são autênticos.  

Não se esqueça que os códigos de barras influenciam na classificação fiscal dos seus produtos, e consequentemente irão afetar a forma de recolhimento dos tributos dos seus itens. 

Além disso, é válido ressaltar que a utilização dos códigos de barras traz uma série de benefícios para o empreendedor, uma vez que auxilia na gestão dos estoques e facilita o processo de inventário, já que evita o registro de produtos duplicados. 

Isso sem contar o ganho em eficiência que o seu negócio ganha no que diz respeito ao atendimento ao seus clientes.

Conseguimos responder as suas dúvidas sobre a emissão de código de barras?

Deixe a sua opinião ou dúvida sobre este assunto abaixo nos comentários.

Sobre o autor

Eficiência Fiscal

Somos uma empresa de outsourcing em gestão tributária PIS, COFINS e ICMS com foco em 3 operações, nas operações de compra, manutenção de itens e venda de mercadorias. Em resumo, possibilitamos que as empresas de nossos clientes possam se dedicar totalmente à suas áreas de especialidade, ou seja, em seu core business e contar com o nosso conhecimento qualificado em gestão tributária para obtenção de resultados cada vez melhores, a um custo muito inferior daquele que seria necessário para manter um departamento desses dentro da empresa ou contratação de consultores externos. Através de uma substancial base de regras fiscais e uma inovadora tecnologia em inteligência artificial, nós buscamos resolver o problema da falta de conhecimento qualificado para lidar com toda essa complexidade da nossa legislação tributária, que muitas vezes é potencializada pelo elevado volume de itens em transações com incidências tributárias, seja transações de compra ou de venda.

Deixar comentário.